terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O SONHO DE TILDEN


http://www.youtube.com/watch?v=qasJ2hLpQ84
http://www.youtube.com/results?search_query=o+sonho+de+tilden&search_type=&aq=f
Disputando com mais de 250 concorrentes, Moara Rosseto Passoni, Anhanguera Produções, teve seu curta-metragem - O Sonho de Tilden - (Brasil, SP, cor, 2007) classificado entre os 10 melhores pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, em 5 de dezembro de 2006.

Na película ela mostra o professor, ator e produtor da Escola Superior de Cinema de Cuba, o argentino-cubano Fernando Birri defendendo a utopia do "Nuevo Cine Latino-Americano" e o Embaixador do Brasil em Cuba, Tilden Santiago, defendendo a utopia da Teologia da Libertação.

Na eleição de Ratzinger (Papa Bento XVI) Tilden sonha com o Papa se convertendo à Teologia da Libertação e abraçando, através de seus teólogos, a missão de anunciar o evangelho libertador na África, Ásia e América Latina, especialmente nas regiões mais pobres.

Fernando Birri ajuda a Tilden em Havana, a escrever uma carta ao Papa Bento XVI. E vão juntos de Cuba ao Vaticano na Basílica de São Pedro, onde tentam entregar a carta ao Pontífice Romano, a carta com o sonho bíblico. No Portão de Bronze, na Colunata de Bernini são barrados pelas lanças medievais da Guarda Suissa.

A fotografia é de Heloisa Passos, música de Gustavo Ruiz. Direção de Moara Rosseto Passoni. Selecionado para o ciclo "Estado das Coisas" e exibido no Festival "É Tudo Verdade".

Parabéns Moara querida.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

FELIZ NATAL


AMIGAS, AMIGOS,
"O povo que andava nas trevas viu uma grande luz e esta luz brilhou para os que habitavam um país tenebroso. Multiplicaste o povo, aumentaste o seu prazer". (Isaías 9,1)
Nós somos universalmente esse povo globalizado, que tateia, buscando luzes que emanam do Oriente e do Ocidente e que entra em 2010, mais consciente e responsável do que nunca com o destino de justiça e paz social , ambiental, cultural e espiritual da terra e de seus filhos mortais.
Que o espírito do Natal de 2009 ilumine 2010 que está chegando.
Abraço fraterno.
Tilden Santiago

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Entrevista a BolPress

Última assembléia da Onu, sobre bloqueio a Cuba,
Naciones Unidas, (PL).- La Asamblea General de Naciones Unidas (ONU) por 187 votos a favor, tres en contra y dos abstenciones (Micronesia y las islas Marshall) la resolución Necesidad de poner fin al bloqueo económico, comercial y financiero impuesto por los Estados Unidos de América contra Cuba.
Por décimo octava ocasión, el plenario de la ONU repudió el cerco impuesto por Washington contra la isla caribeña desde hace casi medio siglo. Cuba sumó dos sufragios a su favor en comparación con la votación del año pasado, mientras que Estados Unidos volvió a quedar en un casi absoluto aislamiento, solo con la compañía de Israel y Palau.
El texto adoptado por el plenario llama a todos los Estados a abstenerse de promulgar y aplicar leyes y medidas de ese tipo en cumplimiento de la Carta de la ONU y del derecho internacional, instrumentos que reafirman la libertad de comercio y navegación.
También insta a los Estados en los que existen y continúan aplicándose leyes y medidas de ese tipo a que, en el plazo más breve posible y de acuerdo con su ordenamiento jurídico, tomen las medidas necesarias para derogarlas o dejarlas sin efecto. Igualmente incluye un nuevo análisis del tema en el programa provisional de su sexagésimo quinto período de sesiones, el próximo año.
En su parte inicial, el documento reafirma, entre otros, los principios de igualdad soberana de los Estados, la no intervención y no injerencia en sus asuntos internos y la libertad de comercio y navegación internacionales.
Recuerda declaraciones de las cumbres iberoamericanas relativas a la necesidad de eliminar la aplicación unilateral de medidas de carácter económico y comercial contra otro Estado que afecten al libre desarrollo del comercio internacional.
Y expresa preocupación ante la promulgación y aplicación de leyes y disposiciones como la llamada Helms-Burton, cuyos efectos extraterritoriales afectan a la soberanía de otros Estados, los intereses legítimos de entidades o personas y la libertad de comercio y navegación.
Al respecto, hace mención a las 17 resoluciones aprobadas por la Asamblea General cada año desde 1992 hasta 2008 y a las declaraciones y acuerdos de distintos foros intergubernamentales, órganos y gobiernos en rechazo a la promulgación y aplicación de medidas de ese tipo.
Advierte que continúa la aplicación de nuevas normas dirigidas a reforzar y ampliar el asedio y expresa preocupación por los efectos negativos de esas disposiciones sobre la población cubana y los nacionales de Cuba residentes en otros países.
El canciller cubano Bruno Rodríguez declaró hoy ante Naciones Unidas que el bloqueo de Estados Unidos contra la isla es un remanente de la guerra fría que perdura, en respuesta a declaraciones de la representante permanente de Estados Unidos en la ONU Susan Rice.
El ministro apuntó que Rice vino a la ONU a defender una política de bloqueo que comenzó el 6 de abril de 1960 con el propósito de causar hambre, desesperación y desaliento al pueblo cubano. Dijo que Cuba es una democracia que se parece más a los principios enarbolados por Abraham Lincoln que a los defendidos por la plutocracia o gobierno de los ricos que funciona en Estados Unidos.
Rodríguez desarticuló los argumentos expuestos por la embajadora estadounidense para justificar el bloqueo contra el país caribeño y rechazó el calificativo de disidentes para quienes son en realidad agentes de una potencia extranjera pagados por Estados Unidos.
Si de presos políticos se quiere hablar, libérese a los cinco luchadores antiterroristas cubanos presos en cárceles norteamericanas sometidos a tratamiento cruel e inhumano, apuntó. Más adelante, explicó a Rice el contenido de dos artículos de la Convención contra el crimen de genocidio y que tipifican al bloqueo con ese término.
Debe levantarlo Estados Unidos porque no es Cuba quien bloquea, ni ocupa parte de su territorio con una base militar, y porque está en el mejor interés del propio pueblo norteamericano, agregó. Asimismo, reclamó a Washington que suspenda la prohibición para que sus ciudadanos viajen a Cuba y las restricciones en áreas como tecnología, información, Internet, informática y otras para poder avanzar en el tema de la libre circulación de información.
Por otro lado, el canciller cubano advirtió a la Unión Europea y a Noruega que no tienen autoridad moral para dictar modelos de democracia, por haber sido cómplices de actos de tortura en Guantánamo y Abu Gharib.
El ex embajador de Brasil en Cuba Tilden Santiago afirmó que la victoria contra el bloqueo en la Asamblea General de Naciones Unidas constituye una demostración de la grandeza y la dignidad de la nación cubana.
En declaraciones exclusivas a Prensa Latina, Santiago indicó que no lo sorprendió ese resultado y sostuvo que el apoyo casi absoluto de la comunidad internacional es un reflejo de lo injusto de ese cerco económico contra la isla, el cual debió ser eliminado desde hace mucho tiempo.
Constituye, prosiguió, un premio a la firmeza de Cuba y de su pueblo en estos 50 años de Revolución, así como una respuesta de las naciones del mundo a la seriedad con que el gobierno cubano encara sus relaciones con los demás países, su solidaridad con los más pobres.
Santiago, quien representó al gobierno brasileño en La Habana entre 2003 y 2007, dijo ser testigo excepcional de Cuba de conducir sus vínculos externos y destacó el hecho de que en la isla caribeña tengan sedes diplomáticas prácticamente todas las naciones africanas, asiáticas, latinoamericanas y caribeñas.
La votación en la ONU es la lógica respuesta por el ejemplo de 50 años de resistencia y de su firme postura en el mundo, aseguró y añadió que sin la resistencia de la Revolución cubana hoy no se estaría hablando de democracia en América Latina, de la integración de esta región.
Muchos menos, precisó, de un indígena presidente, de un obrero metalúrgico presidente, de una mujer presidenta. Todo eso, subrayó, se lo debemos agradecer al papel que ha desempeñado en el mundo esa querida isla y su Revolución.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

DOM CRISTIANO E A CHARADA DO SÉCULO

A charada do século: POLUIR MENOS PARA PRODUZIR MAIS
Como combater a emissão de gases poluentes no ar sem comprometer o crescimento? Como atender a crescente demanda por água, energia e alimentos, sem acelerar ainda mais o esgotamento dos recursos naturais e aumentar o efeito estufa que faz subir o aquecimento global e as águas do mar?
O mundo está de olho na Conferência de Copenhague, onde os líderes das nações estão tentando encontrar soluções para enfrentar o problema do aquecimento global com suas consequências desastrosas. Nosso século vai enfrentar escassez crescente de recursos naturais. Os mais atingidos serão os mais pobres do semiárido ameaçado por desertificação. Diante da necessidade de medidas abrangentes, muitos fazem apenas apelos genéricos . Outros recomendam remendos, apontam ações pontuais. Nenhum governo quer comprometer-se com promessas que possam prejudicar o desenvolvimento do país.
O Brasil quer aproveitar a descoberta do pré-sal para dobrar a produção de petróleo. Ora, dobrar a produção de petróleo significa dobrar a emissão de dióxido de carbono com a queima dos seus derivados. A corrida pelo pré-sal está apenas começando.
Não é só o Brasil que tem. O aumento da produção mundial, ou a redução do seu consumo em novas crises mundiais, pode reduzir o preço do petróleo e dificultar a substituição progressiva por biocombustíveis, onde o Brasil tem posição privilegiada pela natureza. Por outro lado, essa substituição faz crescer a competição por água e terra. Mais um dilema: Produzir alimentos ou gerar energia?
Os biocombustíveis também produzem dióxido de carbono na sua queima, mas antes o sequestram para fazer as plantas crescer. Um biocombustível especial é o carvão. Quando o carvão vem do desmatamento, não só contribui para o aquecimento global, mas produz os estragos da degradação ambiental. O pior dos estragos é a queima de florestas que nem aproveita o valor da madeira.
O petróleo e o carvão mineral retiraram do ar o seu carbono em tempos pré-históricos e liberaram oxigênio para o reino animal. Seu uso atual é um grande fator de poluição. Melhor seria preservá-los para usar na petroquímica.
No Brasil temos os dois extremos. Com a queima de florestas somos o pior emissor de gases poluentes. Aprendendo a preservar a floresta amazônica podemos ser o maior sequestrador de CO2. Está na hora de passar a dar uma contribuição ainda maior para diminuir o efeito estufa e retirar da atmosfera quantidades enormes de gases nocivos: Plantar florestas em áreas degradadas e regiões de clima seco. Combinar duas coisas que pareciam incompatíveis: Diminuir a poluição e aumentar a produção.

Se isso é viável, qual é a razão que nos impede de fazer? O problema é que faltava um método de irrigação para plantar florestas sem precisar de milhões de litros de água por mês para irrigar um só hectare. Já não falta mais: Desenvolvi uma ferramenta para facilitar o plantio de florestas no semi-árido e tornar possível a recuperação de áreas de deserto.
Com irrigações emergenciais, gastando apenas meio milhão de litros de água por ano, cuidamos de uma plantação de 4000 mudas de Neem, enfrentando dois anos muito secos. É coisa simples: colocar água de chuva e de irrigação no lugar adequado para plantas de raízes profundas.
Para começar, proponho plantar cem milhões de hectares de florestas no sertão e no cerrado, para substituir os desmatamentos e evitar a desertificação, criar milhões de empregos e apoiar a agricultura familiar, fornecer o carvão para padarias, olarias, usinas termoelétricas e siderúrgicas. Mais tarde, tais florestas poderão abastecer o mundo de papel e de madeira, preservando as matas nativas e reservando as regiões de clima melhor para produzir alimentos.
Para quem achar que isso é fantasia de um sonho utópico, posso informar que já tenho um pequeno campo de demonstração em Manoel Vitorino, com 15 hectares de árvore Neem de dois anos em pleno vigor, numa região onde pouco se planta e menos se colhe. Desde 2007 não corre água nem na temporada de chuva. Faz anos que nada se produz na redondeza. Nos meses de seca, o gado precisa fugir para lugares melhores.
É hora de divulgar o projeto, que é importante demais para depender apenas dos meus recursos limitados. Mais informações no meu Blog: www.domcristiano.com.br, com link para um filminho no youtube para quem quer ver para crer.
Para um futuro mais distante, nenhuma solução técnica poderá dispensar a necessidade de mudanças radicais na mentalidade e nas atitudes das pessoas. Diante dos limites dos recursos naturais, os que têm menos só poderão ter mais, se os que têm mais se contentarem com menos. A necessidade de um padrão de vida modesto para todos, ainda neste século, é questão de simples matemática. A não ser que o fim do mundo chegue antes. Um exemplo: A terra não vai suportar dois carros por família e viagens intercontinentais de bilhões de pessoas por ano.
Se continuar a mentalidade egoísta que diz, Farinha pouca, meu pirão primeiro, os mais fortes vão recorrer a novas guerras para defender seus privilégios.
Não podemos continuar a gastar por conta das gerações futuras. Precisamos preservar uma terra habitável para nossos netos e bisnetos.
Jequié, 12 de Novembro de 2009
+ Cristiano Krapf

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

ARRUDA E EZEQUIEL

Assistí pela TV, as façanhas do governador José Roberto Arruda e seus comparsas. Dinheiro nos bolsos, em todos os bolsos! Dinheiro na meia! Dinheiro na cueca mais uma vez!
Triste, lembrando Arruda, Collor, anões do orçamento e outros corruptos, tomei o metrô na Estação Eldorado, rumo à Central do Brasil, para o lançamento do livro de poesias "Partilha" de Roberto de Carvalho, vice-prefeito de BH.

Quando o metrô passou pela Estação da Lagoinha, entrou um adolescente, meio crescido, pés no chão, roupa muito suja, pele ressecada de poeira e sol no rosto, nas mãos e nos pés, brilho no olhar - certamente como do leproso de Assis. Nem todos os pobres perdem a esperança!


O jovem foi ágil em distribuir um papelzinho com inscrição em manuscrito, xerox, a todos os passageiros em meu vagão:


"Quando tudo for silêncio e você pensar que todos te esqueceram, lembre-se de mim, pois nada sou, nada tenho, mas desejo a você toda felicidade do mundo! Peço uma ajuda e que Deus te abençoe". Sem assinatura.


Quase todos em meu vagão, buscamos no fundo do bolso moedinhas e notas de um dou dois reais. Nossos bolsos não são como os de Arruda. Mirei o brilho dos olhos dele e matei minha curiosidade: -Como você se chama? -Ezequiel, respondeu num sorriso.


Mas ele foi para meu coração franciscano, mais do que um profeta. Foi um evangelista que com suas palavras, sua postura digna, seu olhar, seu sorriso, me evagelizou com uma boa nova, que me fez esquecer Arruda e comparsas. Voltei de Metrô, lendo os versos de Roberto e sonhando com os pobres, os oprimidos, os excluídos, irmanados para redimir a história humana. Para cada Arruda. cada Collor, cada anão do orçamento, cada mensaleiro, cada corrupto, existem milhões de Ezequiéis, capazes de juntos, remover a história.


"Quando tudo for silêncio e você pensar que todos te esqueceram, lembre-se de mim (Ezequiel), pois nada sou, nada tenho, mas desejo a você toda felicidade do mundo!"

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

CUMPLICIDADE X LULÉCIO

Nas últimas semanas cresceram as chances de Aécio Neves disputar a Presidência da República pelo PSDB. Isso se deduz da leitura dos jornais e revistas, relatando fatos inegáveis de algumas pesquisas, do que se comenta nos bastidores das lideranças políticas de Minas e das entrelinhas dos comentaristas e analistas.
Mas esse crescimento provocou José Serra. Ele que vinha demonstrando numa certa indiferença, procurando retardar a decisão de seu partido, começa a manifestar sua antiga vontade política de ser presidente.
É preciso relembar que Serra personifica as aspirações e interesses da Avenida Paulista, algo muito mais resistente do que o mero desejo de José Serra. É contra esse muro da hegemonia paulista que Aécio Neves esbarra, apesar de seu carisma político.
Crescem também as chances de Itamar Franco ser o vice de Serra. Iludem-se aqueles que especulam com Itamar disputando o governo do Estado. Itamar será candidato a senador ou a vice-presidente. Com Aécio presidente, o lugar para Itamar será o Senado. Com Aécio Senador, o nome de Itamar se ajusta perfeitamente na vice de Serra. José Serra precisa de um mineiro. E Aécio certamente se sentirá contemplado com a escolha de Itamar para vice: juizdeforano e PPS. E o eleitorado? Como vai encarar essa dobradinha?
Itamar Franco vem defendendo com firmeza Aécio presidente. Demonstra disposição de bater pesado no governo Lula, o que o atual governador mineiro não sabe e que não quer fazer.
Apesar dessa diferença há uma cumplicidade entre Itamar e Aécio, coisa de mineiro. É certo que no andar da carruagem, o governador não se desvincula do ex-presidente, seja qual for o caminho de ambos. E quanto a Itamar, como todos os políticos mineiros, ele sabe que nada de fundamental acontece em termos de poder, hoje em Minas, fora do olhar de Aécio Neves. É uma cumplicidade entre amigos no rumo do poder, nasceu de ambos, não é obra de Lula e Aécio. Foi cosntruído por amigos comuns e pela sabedoria popular dos mineiros, nas urnas votando em elições passadas.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

MAHMOUD ABBAS

Dia 15 de novembro recebi um chamado do Embaixador Palestino no Brasil, Ibrahim Alzeben. Meu querido amigo me convidava a participar da comitiva de autoridades brasileiras e internacionais que receberiam o Presidente Mahmoud Abbas na Bahia três dias depois. Por diculdades de adequação em minha agenda de compromissos para aquela data, enviei a seguinte mensagem que foi traduzida para o árabe e entregue nas mãos do Presidente Mahmoud por meu Habibi Ibrahim:

Sr. Presidente da Autoridade Nacional Palestina
Mahamoud Abbas.

ARLAN-WASARL! O Sr. é sempre benvindo ao Brasil! Estou muito feliz com sua presença em minha terra, seu encontro com meu povo e com meu presidente e amigo Lula e com o governador e amigo Jacques Wagner da Bahia. Volte quando quiser. As portas do Brasil e o coração dos brasileiros e brasileiras estarão sempre abertos para recebê-lo.
Sou muito grato a seu povo. Vivi com os Palestinos de 1963 a 1966. Em setembro de 1970, estava em Husn e Irbed, participando da luta, das dores e alegrias. Com os Palestinos descobri a Revolução dos pobres, oprimidos e excluídos. Alá, o Altíssimo, o Clementíssimo, olha por nós e nos abençoa.
Infelizmente não pude ir a Salvador ou a Porto Alegre para abraça-lo como queria. Fica para sua próxima vinda. Ou mesmo quando eu puder, irei a Palestina vê-lo em Ramala e com toda certeza, em Jerusalém, junto com Helena, minha esposa.

Abraço amigo para o Sr. meu irmão e todo povo palestino.Tilden Santiago
Embaixador do Brasil em Cuba de 2003 a 2007
Ex- Deputado Federal de 1990 a 2002

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

A RECEITA DE MUSSOLINI PARA ACALMAR AS BASES

JORNAL VALOR ECONÔMICO, 17 DE NOVEMBRO 2009 - RELAÇÕES DE TRABALHO.

Nos anos 30, antes de Getúlio Vargas fazer a CLT, que é de 1943, o quadro sócio-econômico era o grande desafio para o Estado. Depois da grande depressão de 1929 era preciso industrializar o país a toque de caixa - e em paz -, para se produzir aqui tudo que era importado. Mas não havia paz. As relações de trabalho eram muito conflituosas, com forte influência dos anarquistas italianos e espanhois. Nas greves, empresas eram depredadas. O que fez Getúlio Vargas? A resposta está no depoimento do professor José Pastore, a seguir:


"Getúlio chamou um de seus principais assessores, o sociólogo Francisco José de Oliveira Viana, e o incumbiu de fazer um périplo pelo mundo para ver como os outros tinham conseguido se industrializar. Viana seguiu logo para os Estados Unidos, mas se deparou com um movimento ainda mais violento do que o brasileiro na zona industrial de Chicago. Desistiu e foi para a Alemanha. Lá quase todos os trabalhadores estavam em sindicatos atrelados ao Partido Comunista. Desistiu e foi para a Itália, que ninguém é de ferro. Benito Mussolini, em carne e osso, lhe disse que era preciso organizar no Brasil um sistema onde os trabalhadores e os empregadores participassem com várias responsabilidades.


-Pelo fato de os trabalhadores participarem já vai haver calmaria-, Mussolini falou. Disse ainda para criar uma representação tripartite - empregados, empregadores e governo - no Ministério do Trabalho. Depois, se essa comissão tivesse desdobramentos para os Estados, fazer uma comissão tripartite também para esse nível. E, se a coisa se desdobrasse mais, fazer uma comissão tripartite no município. Mussolini disse mais: - Encaixe também na Justiça do Trabalho, representantes dos empregados e empregadores. Porque, além da centença fria do juiz, vai se procurar ver tudo que tenha sentido na realidade. Ato contínuo, coloque representação classista também no topo, no Tribunal Superior do Tabalho, junto com os togados. Faça o mesmo nas juntas estaduais e também nos sindicatos. Aí Mussolini deu a chave da coisa: - Dê bastante trabalho e posição para esse pessoal. Dê dinheiro para essa gente. Oliveira Viana perguntou: -Por quê? - Porque tendo dinheiro, posição e prestígio lá em cima, eles se encarregam de acalmar a base-. Getúlio gostou muito da idéia.

domingo, 15 de novembro de 2009

PODER POLÍTICO


"Entre eles houve uma discussão sobre qual deles deveria ser considerado o maior. Jesus, porém disse: Aqueles que tem poder neste mundo, axercem a autoridade sobre as nações como dominação e autoritarismo e ainda querem se fazer passar por benfeitores. Mas entre vocês seja como o mais novo, e quem governa, seja como aquele que serve. Afinal quem é o maior: aquele que está sentado à mesa, ou aquele que está servindo? Eu, porém, estou no meio de vocês, como quem está servindo."

Lucas 22, 24-27 , (tradução direta do grego, tendo como referência também a Bíblia Francesa de Jerusalém)

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

MINAS E O SENADO


Onze nomes desejam duas vagas do Senado Federal em Minas Gerais: matéria da página três do jornal Hoje em Dia do dia três de maio de 2.009, domingo. José de Alencar PRB, Itamar Franco PPS, Aécio Neves PSDB, Hélio Costa PMDB, Patrus Ananias PT, Tilden Santiago PSB, Fernando Pimentel PT, Jô Morais PCdoB, Odelmo Leão PP, Alberto Pinto Coelho PP, Fernando Diniz PMDB (falecido). Mais tarde apareceram os nomes de Carlos Melles DEM, Eduardo Azeredo PSDB e Clésio Andrade PR.
Hoje, treze nomes e dez partidos aparecem na imprensa: PCdoB, PMDB, PP, PRB, PSB, PPS, PSDB, PT, PR, e DEM. Parece que mais uma vez estamos diante de uma eleição onde os nomes são mais levados em conta do que os partidos políticos, todos esperando por um posicionamento do Presidente Lula e/ou do Governador Aécio Neves para desenhar a sua estratégia.
É certo que a tendência é haver um afunilamento para um número menor de candidatos. Primeiro porque para alguns, o Senado é uma mera alternativa secundária, dada a alta potencialidade política e eleitoral deste candidato. Segundo porque alguns só entram na disputa com um acerto de cúpula que garanta a vitória nas urnas. Impossível neste acerto contemplar treze candidatos e dez partidos unicamente nas duas vagas para o Senado por Minas. Terceiro porque o candidato só o é por decisão partidária, após a convenção. Infelizmente essa situação acaba fazendo do processo eleitoral uma simples tentativa de ajeitar um lugarzinho nos bastidores da política para cada candidato em maior evidência. Mas o eleitorado pode reverter essa situação que lhe é imposta.
O amigo e deputado Virgílio Guimarães várias vezes me falou de sua previsão sobre uma bela campanha em Minas para o Senado, dada a qualidade da disputa. Dos treze candidatos, dois ou três objetivam desde agora unicamente a vaga do Senado, cosntruindo desde já, conteúdo político e programático do mandato.
As múltiplas possibilidades de alguns candidatos:
José de alencar: é um nome forte para várias alternativas.
Itamar Franco: é um nome forte para várias alternativas.
Aécio Neves: Presidente, Vice-presidente Senador.
Hélio Costa: Vice-presidente, Senador, Governador.
Patrus Ananias: Vice-presidente, Senador, Governador, Vice-governador.
Fernado Pimentel: Vice-presidente, Senador, Governador, Vice governador.
Jô Morais: Senadora, Governadora, Vice-governadora.
Odelmo Leão: Senador, Vice-governador.
Carlos Melles: Senador, Vice-governador
Eduardo Azeredo: Governador, Senador
Alberto P. Coelho: Senador, Governador, Vice-governador
Clesio Andrade: Senador, Vice-governador
Tilden Santiago: Senador.
Há três caminhos para se chegar ao Senado. Primeiro: de cima para baixo. O candidato e seu partido tentam se enquadrar através de uma aliança política, a vaga para o Senado. É bem provável que duas alianças sejam construídas: um projeto a partir do Palácio da Liberdade. O projeto do Planalto poderá se expressar numa só aliança ou em duas alianças no Estado. (dois palanques).
Segundo: de baixo para cima. O candidato e seu partido constroem a campanha pelo contato direto com as bases da sociedade, a partir do potencial já acumulado, procurando ampliar sua força eleitoral. Terceiro: Numa combinação mixta, tentando entrelaçar aspectos dos dois caminhos, dando ênfase igual a ambos.
Apesar de ter assinalado aspectos críticos do processo eleitoral, vivencio a mesma esperança do companheiro Virgílio Guimarães e ofereço, como pré-candidato, a minha contribuição através do PSB e partidos aliados. Virgílio tem razão, vai ser uma bela campanha de Minas para o Senado, de Minas para o Pacto Federativo.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

XIV ENCONTRO DE POLÍTICOS CRISTÃOS - DOM CAVATI - MG - MOBON


Mais de 300 militantes cristãos reuniram-se em Dom Cavati, no Leste de Minas, nesse último fim de semana. Eles acorreram de cerca de 50 cidades do Norte da Zona da Mata e do Sul da Zona do Rio Doce. É uma realização do Mandato Coletivo do Deputado Durval Ângelo (PT-MG).

A montanha do MOBON - Movimento da Boa Nova - um verdadeiro Monte Tabor dos pequenos produtores (café) os acolhe sob o olhar fraterno de Alípio, João Rezende e Mariano, irmãos sacramentistas, que ali vivem e trabalham há cerca de 40 anos, numa missão de fé e cidadania, de fé e política. O MOBON é uma verdadeira faculdade do homem rural, que sobe a montanha com coragem, que sobe o Tabor com fé e alegria.

O encontro foi assessorado pelo teólogo leigo da PUC-Rio, Paulo Fernando, pelo Pe. Manoel Godoy - PUC-Ista, com a participação do Pe. João, prefeito de Acaiaca, dos anfitriões, de Reginaldo Lopes, deputado e presidente do PT-MG, de Durval Ângelo, Cida de Jesus e toda sua equipe de gabinete. Uma dezena de prefeitos, inúmeros vereadores, dirigentes partidários municipais, líderes sindicais, de cooperativas e de comunidade.

Desde 1986, o Movimento da Boa Nova pesou fortemente nas eleições de Raul Messias e Durval Ângelo para deputado estadual e desse escriba para deputado federal. Como também foi o grande responsável pelos três milhões e trezentos mil votos que recebi em 2002 para o Senado Federal.

Neste encontro, houve uma belíssima análise de conjuntura do país, do mundo e da igreja, com os assessores incentivando os homens e mulheres presentes a colaborarem e opinarem. No meu entender o ponto alto do encontro foram as reflexões sobre: 1) Mística, Militância e Espiritualidade e 2) O nosso compromisso com os pobres e a misericórdia de Deus.

Em tempos eleitorais, só se fala de candidatos, de alianças, de manobra nos bastidores, de conchavos, de estratégias e táticas no rumo do poder. Felizmente o XIV Encontro é uma excessão nesse cenário atual, pobre de debate e discussão. No MOBON, que recebeu Lula em 1993, na sua primeira "Caravana", durante o encontro, a gente do povo, discuiu e debateu um projeto de Brasil para os tempos pós-Lula e um projeto de Minas para os tempos pós-Aécio. Nem tudo está perdido. Parabéns ao XIV Encontro de Políticos Cristãos, coordenado por Durval Ângelo e ao Moviemnto da Boa Nova, o MOBON de João Resende, Alípio e Mariano. Estamos de parabéns todos que participamos. É o que quero partilhar`com você que ainda não subiu ao MOBON, esse Tabor das Minas Gerais, onde a gente se reabastece para a vida, para a luta.

domingo, 1 de novembro de 2009

DIPLOMACIA


APONTAMENTO 3
Carrego na lembrança, apontamentos para um livro de memórias que nunca escreverei.
Logo que foi eleito presidente em 2002, Lula enviou um mensageiro a Cuba para convidar o Comandante em Chefe Fidel Castro, para sua posse. Após confirmar a missão, ele revelou a Fidel que Lula pretendia enviar como embaixador a Havana, um companheiro dos tempos do sindicalismo, que liderava os jornalistas em Minas Gerais, no mesmo tempo em que ele, Lula, comandava os metalúrgicos em São Paulo e a classe trabalhadora brasileira.
_O Presidente Lula entende que o Comandante Fidel deva ter conhecimento de algumas circunstâncias da pessoa escolhida: não é embaixador de carreira, não é especialista em relações econômicas internacionais e foi sacerdote, padre-operário no Oriente Médio e no Brasil.
_Pero, tiene firmeza política?
_Se tem "firmeza política", o próprio comandante observará. Só sei que durante a Ditadura, foi da esquerda armada ao lado de Carlos Marighella na ALN.
_Então diz a Lula para enviá-lo, que diplomcia e muitas outras coisas ele aprenderá aquí na Ilha.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

ZEBRA: CIRO OU WALFRIDO?

Ciro Gomes pode virar zebra!. Proclama minha colega jornalista Iracema Barreto, editora-adjunta de política do jornal Hoje em Dia. Ela argumenta com perspicácia profissional e com sensibilidade feminina as chances da mãe do PAC, "que não sai hoje da boca, amanhã do colo", do Presidente Lula, antes de concluir: "Desafeto de Serra, Ciro mudou o domicílio eleitoral para São Paulo. Deve se candidatar ao governo paulista em 2010, com o aval do PT, mas só para desestabilizar Serra, posa de pré-candidato à Presidência. Uma brincadeira perigosa. Ciro já encostou no placar em Dilma Roussef. Se tomar gosto... vai dar zebra."
Mas na verdade, Ciro Gomes não brinca e nem posa de pré-candidato à Presidência da República. Ele e o PSB, com eventuais aliados, visam mesmo o Planalto. E Ciro crescendo nas pesquisas tem de ser respeitoso e atencioso com Lula, ele e o PT nacional são os interessados na suposta candidatura de Ciro ao governo de São Paulo. Qual candidato com chances de chegar ao Planalto não escutaria e atenderia a um desejo de Lula? Aliado do PT nacionalmente o PSB conhece a força do Lulismo, ao mesmo tempo, isso não o impede de disputar o cargo maior, com candidatura própria que se coloca contra o retrocesso (Serra) e o continuísmo (Dilma) construindo no debate com a sociedade e daqui a pouco, nos palanques, um projeto de consolidação das conquistas e de avanço para o Brasil pós-Lula.

A entrada do ex-ministro Valfrido dos Mares Guia ao PSB é mais um componente que confirma a vontade política do partido de disputar a Presidência. Ciro disse recentemente na Câmara Municipal de BH que "não existe projeto nacional sem Minas Gerais". Valfrido é exímio articulador e poderá elevar muito o desempenho eleitoral de Ciro em Minas. É bem verdade que ele é homem fiel ao governador Aécio. Os três no entanto, sabem que Ciro Gomes e seu partido estão dispostos a repensar os passos, caso Aécio ganhe as prévias dentro do PSDB. Como se sabe, Ciro é franco e desabrido no seu linguajar, mas sabe ser flexível na sua caminhada ao lado de Lula e Aécio. É dentro desse contexto que deve ser entendida a mudança de domicílio eleitoral para São Paulo. Contexto que abrange um antagonismo categórico de José Serra, como símbolo do retrocesso.

E não se surpreenda, Iracema, se na disputa em 2010, a verdadeira zebra for Valfrido dos Mares Guia no Palácio da Liberdade.

domingo, 11 de outubro de 2009

CHE 2 - A GUERRILHA

Já estreou nos cinemas de BH o segundo filme (continuação) de Steven Soderbergh: "Che 2 - A guerrilha". O diretor norte-americano narra, agora de forma mais documental, a experiência de Ernesto Guevara na Bolívia, onde foi morto na tentativa frustrada de uma revolução no dia 9 de outubro de 1967. Parece um documentário! Não há efeitos especiais perturbadores. O ator Benício del Toro, com um boné basco, que o distinguiu o tempo todo como o personagem principal dos demais guerrilheiros, consegue atravessar o mito e revelar a figura humana de um dos maiores ícones do século XX, que tinha fé no homem "eu creio no homem" embora ele faça questão de afirmar que em Cuba existem religiões. Já na Revolução Cubana, o verdadeiro símbolo sob a inspiraçao de José Martí, não é o fusil, mas o livro. Na Bolívia o uso do fusil continua, mas o que mais chama a atenção é o "humanismo e a ética" do Che, no convívio com os guerrilheiros, com os campesinos bolivianos, com os dirigentes do Partido Comunista, vacilantes quanto à luta armada.
A figura humana do Che se mistura com uma convicção inabalável de revolucionário, que não abre mão de libertar os povos da América Latina, através da Revolução. Como um pedagogo em plena guerra, ele mostra aos jovens bolivianos arregimentados e aos cubanos que o acompanham, que as grandes massas oprimidas e excluídas, vivendo na miséria, não se libertam sem que uma grande força confiável se manifeste e os desperte para a luta. Mas a ênfase é seu humanismo expresso num "cuidado" permanente com aqueles com quem convive.
O termo "revolução" não mexe mais com a quase totalidade da opinião pública - sobretudo porque ele se confunde com "luta armada", que ficou fora de moda. E a maioria dos rebeldes de agora e de outrora ficam a espera das condições objetivas para que a revolução aconteça.
Como a revolução não se reduz à luta armada, talvez seja mais conveniente, hoje para que a libertação se dê, falar de transformação profunda das realidades estruturais no bojo de uma "evolução permanente". Aliás é o que parece estar acontecendo na América Latina, com o fim das ditaduras e o advento das democracias, com o povo elegendo para presidente: indígena, mulher, trabalhador nordestino, bispo da Teologia da Libertação, militar mulato nacionalista, liberais rebeldes de centro esquerda.
É inegável a força atual da integração latino-americana, agora sem a busca acentuada de hegemonias como foi o sonho de José Martí. Mas é inegável também que todo avanço que hoje se observa não deixa de ter um nexo com a resistência heróica dos anos 50, 60 e 70, Cuba à frente. É com esse olhar que Evo Morales e milhões de bolivianos contemplam o desprendimento e a imolação de Ernesto Guevara.
A gente sai do filme para viver o atual momento político da América Latina, com a certeza de que a transformação da sociedade é possível e com o desafio de ser revolucinário na rotina da vida. O que certamente é tão difícil e heróico quanto subir a montanha e embrenhar-se pelas matas empunhando um fusil.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

A ÁGUA E A MULHER

"Beba a água de sua cisterna, a água que jorra de seu poço. Não derrame pela rua a água de sua fonte, nem pelas praças a água de seus riachos...
Seja bendita a sua fonte, alegre-se com a esposa de sua juventude: ela é corsa querida, gazela formosa. Que as carícias dela embriaguem sempre a você e o amor dela o satisfaça continuamente"
Provérbios 5, 15 - 19.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

O IMPONDERÁVEL NAS ELEIÇÕES

O PSDB de Serra e de FHC aceitou a proposta de Lula de bipolarizar o processo eleitoral. Tudo indicava que haveria uma disputa pela Presidência por dois partidos - PSDB x PT - por dois nomes: Serra e Dilma. Caminhávamos para um plebiscito entre os oito anos de FHC x oito anos de Lula. O processo não parecia responder aos legítimos interesses do povo brasileiro. Estávamos na eminência de um processo eleitoral despolitizado, de mera busca do poder pelo poder, sem maiores debates e discussões políticas sobre projetos de desenvolvimento para o período pós-Lula. É bom lembrar que o governador Aécio Neves não cansava de pedir que houvesse discussão de projetos para o Brasil, sendo o primeiro político a usar a expressão "Brasil pós-Lula".
Felizmente a situação mudou: o debate já começou, graças a quatro fatores imponderáveis que certamente surpreenderam o Presidente Lula e o PSDB: *A doença de Dilma *A crise no Senado Federal *A candidatura da Senadora Marina Silva, deixando o PT e filiando-se ao PV. *O caráter movediço do PMDB - em cuja aliança o Presidente Lula e o PT jogam todas as cartas. Resultado final: a Nação Brasileira já vive uma grande aula política! Ciro, Marina e Aécio já se movimentam com maior desenvoltura. E Serra e Dilma começam a sair de uma tranquilidade imposta.


domingo, 4 de outubro de 2009

PROVÉRBOS 6,6-10

"Vamos preguiçoso, olhe a formiga, obeserve os hábitos dela e aprenda. Ela não tem chefe, nem guia, nem governante. Apesar disso, no verão ela acumula e ajunta provisões durante a colheita. Até quando você vai ficar dormindo preguiçoso? Quando é que vai se levantar da cama? Dormindo um pouco, cochilando outro pouco e mais um pouco ainda, cruzando os braços e descansando , sobre você cairá a pobreza do vagabundo e a indigência do mendigo".

domingo, 27 de setembro de 2009

GASMIG - CEMIG - PETROBRAS - PBH

Sai José Carlos de Mattos! Entra Márcio Augusto Vasconcelos Nunes! No Mineirão? Não! Na Companhia de Gás de Minas Gerais, Gasmig. A transmissão de cargo se dá com uma presença que chama atenção de todos: Guy Vilela - o pioneiro do gás em Minas, o primeiro presidente da Gasmig. Durante a leitura e assinatura do termo de posse - presentes o secretário Sérgio Barroso, o presidente Djalma Bastos de Morais e o vice-prefeito Roberto Carvalho, entre outros, muita coisa significativa foi lembrada na tribuna.
A Gasmig cresce cantada em prosa e verso, como pedra angular para o desenvolvimento de Minas. O gás dá uma nova dimensão estratégica ao processo industrial e a economia de Minas.
A história da Gasmig começa ha 26 anos, quando meia dúzia de visionários acreditaram na sinalização do gás metano nos lixões de BH: Antônio Otávio, Rondon Pacheco, Aureliano Chaves (ministro na época) Osíris Silva (na Petrobras) Sérgio Ferrara (prefeito) e Guy Vilela (primeiro presidente). Mais tarde, Itamar Franco como Presidente da República dará inegável apoio.
Caberá ao Governador Aécio Neves definir que gás natural não é negócio do futuro: Gás já! Ele define a indústria do gás como fator essencial ao desenvolvimento econômico e social e a situa entre os projetos estruturadores da economia mineira. E para não ficar só nas palavras envolve instrumentos eficazes: Cemig, Gasmig, Petrobras, PBH. As linhas mestras foram traçadas pelo próprio governador. É dele também a iniciativa de alocar recursos antes de iniciar uma obra.
A dissiminação do gás em nosso Estado traz as marcas do desempenho, da transparência, da dedicação de José Carlos de Mattos. As metas são ousadas, colocando o produto na ponta de comercialização, atingindo os pontos de demanda, o consumo doméstico e os polos de desenvolvimento industrial espalhados num Estado da dimensão do nosso: Triânglo, Sul de Minas, Vale do Aço, Poços de Caldas, Região Metropolitana de BH, Vale do Rio Doce e Mucuri. No entender do Presidente Djalma Morais, caberá a Márcio Nunes substituir José Carlos e dar continuidade com transparência e tenacidade às metas estabelecidas. São dois desafios. O novo diretor-presidente da Gasmig é gaúcho de Passo Fundo, veio jovem para o Rio. Nos últimos quatro anos, ocupou-se de saneamento na Copasa - familiarizando-se com Minas. Anteriormente acumulou grande experiência no setor energético. O presiente Djalma enfatizou também a interface com a Petrobras a ser mantida.
Foram muito lembrados os secretários Márcio Lacerda, Wilson Brunner e Sérgio Barroso - pelo empenho demonstrado na evidenciação dos quatro lotes da Bacia do Rio São Francisco e todo avanço da Gasmig.
O Secretário de Desenvolvimento, Sérgio Barroso enalteceu José Carlos de Mattos e Márcio Nunes: Ele vê a Gasmig como uma forja de campeões. Insistiu em mostrar a matriz energética do gás como um indutor do desenvolvimento econômico. Atrae grandes indústrias, ampliando o desenvolvimento industrial.
É inegável a necessidade do gás para o crescimento industrial. Inegável também que ele pode nos introduzir numa nova fase de desenvolvimento. Mas fica a esperança de que nesse "novo momento econômico de Minas" a sustentabilidade da sociedade mineira não seja considerada como uma exterioridade ao processo de desenvolvimento e sustentabilidade sócio-ambiental devem estar entrelaçados num mesmo processo, num mesmo projeto.
José Carlos de Mattos não deixou de alfinetar a ministra Dilma Roussef, quando afirmou, há algum tempo, que "quem investir em gás, estará fadado ao fracasso". Minas prova o contrário, na medida em que a disseminação do gás avança.

FÓRMULA PROVERBIAL: 6+1

"Javé detesta seis coisas, e a sétima ele abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que maquina planos perversos, pés que correm para a maldade, testemunha falsa que profere mentiras e aquele que semeia discórdia entre os irmãos. Meu filho, guarde os preceitos de seu pai e não despreze o ensinamento de sua mãe. Conserve-os sempre vivos na memória e amarre-os no pescoço. Desse modo, quando você caminhar, eles o guiarão; quando você descansar, o guadarão; e quando você despertar, eles falarão com você." Provérbios 6, 16 - 22.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

PSB DE MINAS

Sábado - 19 de setembro: Encontro do PSB, que tem em Minas 120 vereadores, 13 prefeitos, 26 vice-prefeitos, três deputados estaduais e um deputado federal, 461 comissões provisórias espalhadas em todas as regiões do Estado. Dezenas de militantes lotaram o plenário da Câmara Municipal de BH. Os dirigentes Mauro Lobo e Isaías Silvestre informaram os presentes sobre o andamento do partido, especialmente a formatação de chapas para deputado federal e estadual. Aumentar o número de parlamentares federais é fundamental para se receber mais recurso e ter direito a mais tempo na TV. Ciro Gomes e o prefeito Márcio Lacerda - introduzidos no plenário pelo presidente Wander Borges foram muito aplaudidos: "Brasil urgente, Ciro Presidente". Muitas faixas saldando a vinda dos socialistas do interior. Três grandes banners: Miguel Arraes, o pré-candidato ao Senado e um terceiro de Ciro Gomes e Tilden Santiago. Para Ciro, não existe projeto nacional sem Minas! Falou claramente como candidato à presidente da República. Todo mês dedicará dois dias a Minas Gerais daquí para frente. O PSB mineiro já optou por chapas próprias para deputado federal e estadual e indicou o ex-embaixador Tilden Santiago para uma vaga ao Senado. O partido está disposto a estabelecer aliança para disputa a governador. Já tem recebido nos bastidores convites (pressões?) do PT, do PSDB e do PMDB. No encontro da Câmara Municipal, vários oradores fizeram alusão a candidatura própria ao Palácio da Liberdade, inclusive, sugeriando nomes: Mauro Lobo, Professora Guida, a reitora Ana Lúcia Gazzolla, Leo Antunes e Wander Borges, Raul Messias, Artur Viana e outros. Tanto a candidatura de Ciro como uma possível candidatura a governador, são um sinal claro de que o PSB quer oferecer projeto próprio para a fase vindoura pós-Lula e pós-Aécio.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Blog Leonardo Borges - Jornal O Tempo

Senado 2010 em Minas; duas vagas e muita contabilidade política
Por Rafael Gomes, no O Tempo:A próxima eleição para o Senado tem a peculiaridade de permitir que uma mesma coligação lance dois candidatos. Se por um lado isso abre a possibilidade de conquistas das duas cadeiras em jogo, por outro, há o risco de se perder as vagas com a divisão dos votos dos eleitores entre candidatos com plataformas parecidas. Esses fatores também são analisados na hora de se compor o quadro de candidatos.Um exemplo disso foi o que ocorreu em 2002 quando a diferença entre os quatro primeiros colocados foi de pouco mais de 7% dos votos. Naquela época, PSDB e DEM se uniram em torno da candidatura de Aécio Neves (PSDB) ao governo, mas tiveram Eduardo Azeredo e Zezé Perrella como candidatos ao Senado, porém apenas um obteve sucesso.Azeredo ficou em primeiro, com 25%, seguido de perto pelo também eleito Hélio Costa (PMDB), com 22,2%, e por Tilden Santiago (PT), com 20,5% – PT e PMDB não foram coligados em 2002. Perrella ficou próximo da vaga com 18,3% dos votos.No caso de Aécio Neves ser candidato ao Senado em Minas, ele já teria sua vaga garantida no PSDB. Sem Aécio, os partidos de oposição ao presidente Lula poderiam trabalhar por Eduardo Azeredo (PSDB) e Itamar Franco (PPS). No entanto, os dois podem “dividir” a preferência do eleitorado da oposição colocando em risco o resultado de ambos.PT e PMDB também poderão sofrer o mesmo problema em 2010. Caso os dois partidos lancem candidatos ao Senado, eles poderão dividir os votos da base aliada do presidente Lula. Nesse caso, se Aécio concorrer ao Senado, a situação pode ficar ainda mais perigosa. Os candidatos do PMDB e do PT teriam que enfrentar o governador tucano e, possivelmente, o ex-presidente Itamar Franco.
Partidos articulam candidaturas
Outros nomes da política mineira poderão esquentar a briga pelo Senado, entre eles, o vice-presidente José Alencar (PRB). Ele disse que pretende disputar o cargo caso se recupere do câncer. Já o DEM estuda lançar o deputado Carlos Melles. A deputada Jô Moraes (PCdoB) também poderá concorrer, com o possível apoio do PMDB. Clésio Andrade, ex-vice governador de Minas, estuda a candidatura pelo PR. O presidente da Assembleia de Minas, Alberto Pinto Coelho (PP), também avalia sua pré-candidatura. Já Tilden Santiago deve tentar se eleger pelo PSB.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

MARINA

A senadora Marina Silva - hoje no PV - colocou um gesto corajoso dentro da rotina mórbida, sem encantos, do atual momento político. Aliás, só entende plenamente este gesto, quem ainda não se entalou com a obsessão da conquista e manutenção do poder. Essa "Silva", que vem de grande tribulação da floresta amazonica, do seringal, da enxada, da luta política e ambiental pela vida, junto com Chico Mendes, da luta espiritual que sustenta a Teologia da Libertação.
Duas consequências de seu gesto: 1) O processo eleitoral em andamento, transforma-se numa grande aula política popular com o debate de várias propostas de um "Projeto Brasil" para o pós-Lula. É o fim da bipolarização entre dois partidos, duas pessoas, o que diminue a riqueza de uma disputa política nacional. 2) Marina, com suas convicções, leva a população brasileira a entender a necessidade de se construir um projeto que tenha como eixo central, a solução da problemática sócio-ambiental no mundo.
Agora, com Marina no cenário político nacional, somos convidados a iniciar uma mudança de paradigma, questionando o modo de produzir e de consumir em voga. Ela nos leva a pensar a sociedade e a natureza a médio e longo prazo. Agora, a bipolaridade será entre o novo e o velho - entre a ganância do lucro e o consumismo e o humanismo integral, vazado num novo projeto de desenvolvimento em que o cuidado ecológico não seja exterior, algo só para curar dores de consciência, coisa para inglês ver! É bom entender que a possível candidatura de Marina à Presidência se coloca para ela em segundo plano, em primeiro vem a busca de soluções a problemas como o aquecimento global, o desmatamento criminoso, os processos produtivos altamente poluentes, a contaminação dos alimentos, os agrotóxicos, o fim da agricultura familiar, o reles pragmatismo produtivista e consumista, o desaparecimento das espécies.
Alguns analistas apontam para a impossiblidade de Marina se eleger presidente, pela fragilidade política do PV e outros fatores da racionalidade política. Mas existem os Leonardos Boffs da vida, que acreditam na emergência de uma grande onda, um verdadeiro tsnami, que faça do Brasil de Marina um propulsor ecológico do mundo. Esse movimento, como o "lavassale" (onda, no dialeto do Haiti) que levou a Aristides, o sacerdote negro ao poder. Uma coisa é certa, Marina reintroduziu o sonho, a utopia dos anos 80 na política atual.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

LULA, AÉCIO MARINA E CIRO

É inegável a força política acumulada nos últimos oito anos, pelo presidente Lula no Brasil e pelo governador Aécio Neves em Minas Gerais. Isso tem levado inúmeras lideranças, dirigentes, mandatários petistas mineiros, a vaticinar uma vitória nacional do presidente e estadual do governador nas próximas eleições.

Esse tipo de previsão nasce de petistas pragmáticos que já vêem como fator preponderante no processo eleitoral, o domínio da máquina, o uso da caneta. Também o fato de viver hoje o PT mineiro, desencontros e uma divisão profunda.


Mas tal previsão não deixa de ser um reconhecimento do prestígio junto à população e da força política do Presidente Lula e do governador Aécio Neves. Faz muito tempo, o Lulécio foi um fato inegável, confirmando o que afirmamos antes.


Profetizar o resultado de eleições com tamanha antecedência, é um risco. E algumas circunstâncias dificultam ainda mais essa ousadia. Com o gesto da senadora Marina Silva, a desejada bipolarização PSDB x PT tende a diminuir. Inclusive com Ciro Gomes abandonando a veleidade de ser governador em São Paulo, levando o PSB a priorizar sua candidatura a Presidência da República.


Outra circunstância decorrente da primeira, é a introdução do debate político, da discussão de uma pluralidade de projetos para o período pós-Lula e pós-Aécio que virá. Mais importante do que vaticinar resultados, é que o processo eleitoral se transforme numa grande aula política para o povo brasileiro. E parece que isso começa a acontecer.

domingo, 6 de setembro de 2009

EMBAIXADA EM CUBA - Apontamento 1

Carrego na lembrança, apontamentos para um livro de memórias que nunca escreverei.
Pouco antes das eleições de 2002, já se celebrava a vitória nas ruas centrais de Varginha: “Brasil Urgente, Lula Presidente”! A passeata eleitoral chegava ao fim. Tínhamos um intervalo de uma hora para iniciar o comício. Caminhava como candidato ao Senado ao lado de Lula. Ele sussurrou aos meus ouvidos: “Vamos esperar o comício molhando desde já a palavra...”
_ “Lula, estamos crescendo nas pesquisas de semana para semana. É certo que você será nosso presidente e se esse ritmo de crescimento nas pesquisas continuar, já me sinto Senador de Minas e de você. Se isso não acontecer, como poderei contribuir com nosso governo? No Jequitinhonha, na Amazônia, no Velho Chico, No Pantanal, no Nordeste, Onde?
_“Vou mandar você para a Palestina, onde você já viveu na juventude. Vamos criar lá nossa Embaixada”
_”Mas então você vai ter de me arranjar uma metralhadora, porque lá é bala voando para todo lado”
_”Não! Vou enviá-lo como mensageiro da paz.” Pensou um pouco antes de me revelar sua sugestão, que mais tarde virou determinação:
_”Vou te mandar para Cuba, já que você é metido à socialista”.
Um mês mais tarde, logo após o primeiro turno, Lula veio vitorioso a Minas, para agradecer o apoio de Itamar Franco. No palácio da Liberdade, ele me pegou pelo braço e se dirigiu ao governador: “Itamar, estou com dúvida atroz: não sei se mando see ex-secretário do Meio Ambiente para a Palestina, ou para Cuba.”
_”Manda para a Palestina, ele já viveu lá, sugeriu o governador. Mas Hélio Costa já vitorioso para o Senado, entrou na conversa: “Ele é latino-americano, seu lugar é na Ilha de Fidel.”
Algumas semanas mais tarde, com a vitória definitiva de Lula, foi da boca do Senador e amigo Aloísio Mercadante, que recebi a notícia: “Não se iluda, mineirinho. O ministério do Meio Ambiente já é de Marina e a Embaixada de Cuba, dependendo do teste no Senado, será sua.”
Na semana passada, encontrei Marina em Brasília. Relembramos este e outros momentos felizes dos 30 anos de PT. Serei sempre reconhecido ao Presidente Lula pelos anos que vivi em Cuba, como Embaixador do Brasil. E também ao eleitorado mineiro, pelos quase três milhões e meio de votos que motivaram o gesto companheiro e generoso do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

INSERÇÕES NA TELEVISÃO

A ética, que sempre foi importante, hoje, diante da crise política, se fez imprescindível. O PSB está pronto para seguir por novos caminhos, através de seu princípio básico, que é o socialismo democrático.
Prova disso é a Lei Capiberibe, um sinal de nosso empenho pela transparência das contas públicas.
É preciso dar exemplo aos adolescentes e jovens sobre o verdadeiro conceito da política, aquela feita para o bem do povo e não para os bens dos políticos. É preciso crescer sim, mas com solidariedade, com igualdade de direitos, com respeito á natureza, e principalmente, com honestidade.

FREI BETTO

"Eu vim para semear. Não nascí para colher." Frei Betto não apenas leu Che Guevara, ele vivencia essa convicção do guerrilheiro heróico. Nesse sentido, vem semeando livros, palestras, exemplos pelo Brasil e pelo mundo afora. Estive recentemente em Pedro Leopoldo a convite de meus amigos Xandão e Guida, para ouvir e homenagear meu irmão de caminhada no Movimento Fé e Política, nas CEBs, na Teologia da Libertação, na ALN de Carlos Marighella, na resitência à ditadura, no PT por quase 30 anos e agora, na luta, porque a luta continua sempre.
A igreja matriz de Pedro Leopoldo estava lotada. Eis algumas sementes que o dominicano espalhou por aquela boa terra:


*Quanto menos utopia, mais drogas, quanto mais utopia, menos drogas. Não dá para viver sem sonhos.


*Jesus curava sem antes perguntar ao fulano se ele tinha fé. Foi assim com a samaritana, com a cananéia e com o centurião pagão.


*A escola, a família, o Estado e a religião (as igrejas) são instituições em crise, porque vivemos um tempo de mudança de época: a modernidade está dando lugar à pós-modernidade. Como a idade média deu lugar ao modernismo.


*A modernidade fracassou para 1/3 da humanidade. Apenas 20% se beneficiou, 80% foram excluídos. De seis bilhões de humanos, quatro bilhões vivem abaixo da linha de pobreza.


*Vivemos uma crise de valores, uma crise de ética.


*Hoje, a busca é de uma espiritualidade e não de uma instituição religiosa. Daí a crise das igrejas.


*O paradigma de sociedade gerado na modernidade está desaparecendo para dar lugar a um novo paradigma.


*A prioridade na modernidade é o mercado, tudo virou mercadoria. Se não reagirmos à idolatria do mercado e ao consumismo, o caminho estará aberto à barbárie e a dominação.


De volta a Belo Horizonte, na estrada que liga BH ao aeroporto de Confins, José Arnaldo, meu cunhado ao volante, repetia muitas das idéias semeadas por Frei Betto. Terra boa, o coração de José Arnaldo. Ia me esquecendo de uma última semente de Frei Betto, mas ele me lembrou: o homem se orgulha de ter pousado na lua. Mas não se envergonha de não fazer pousar o alimento no estômago de milhões de crianças.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

MENSAGEM ENVIADA AO SENADOR FLÁVIO ARNS

Meu Caro Flávio,
Tenho orado por você nessas últimas semanas. Toda minha solidariedade pelo passo que acaba de dar, com muito acerto político, com dignidade e respeito à Ética que caracterizam você. Agora somos mais irmãos de caminhada do que nunca. Estou juntando uns trocados para viajar a Brasília e encontrá-lo. Passei pelo que você está passando! Sei que não é fácil! Precisamos conversar. Poderei somar com você no Senado, estou no PSB, pré-candidato ao Senado por Minas Gerais.
Quero aproveitar de sua experiência de Senador. Qualquer que seja sua opção partidária pela frente, tem a minha solidariedade de companheiro. Seu tio o Cardeal Dom Evaristo Arns, se mexeu na minha saída da OBAN em 1973.
Que Jesus de Nazaré, o Profeta Libertador e Messias dos Pobres, abençoe a nossa caminhada e de seu povo.
Fraternalmente,
Tilden Santiago.
Belo Horizonte, 24 de agosto de 2009

terça-feira, 25 de agosto de 2009

ALAIN BADIOU

Trata-se do filósofo, pensador, escritor francês que pregava a "politique sans parti". Falar de política sem partido, me parecia coisa de intelectaul francês. Aqui na América Latina, onde a democracia, com dificuldade se constroi, o partido político sempre me pareceu algo indispensável. A amizade de Badiou com psicanalistas mineiros, acabou motivando viagens suas ao Brasil. Chamou sua atenção, a existência de dois partidos brasileiros: o PSDB e o PT. Observou e analizou a evolução das duas siglas. Aprofundou a compreensão das características próprias de cada uma. E chegou à conclusão, a partir de sua visão de mundo esquerdista, que o melhor para o Brasil era que o PSDB governasse e o PT permanecesse com seus valores originais, uma força política operando no seio da sociedade, sem se contaminar com o "pragmatismo excessivo" do poder.
A partir de 2005, com mensalão, incremento da absolutização do poder, alianças espúrias pela volúpia dos cargos, com a ética e a ecologia jogadas no lixo, com os atos secretos do senado, com os afagos de Lula a Collor, Renan e Sarney, comecei a me perguntar se Alain Badiou não tem razão. Quem sabe se a "Politique sans Parti" não poderia ser pensada e experimentada no Brasil?

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

ELEIÇÕES 2010


PSB define Tilden para o Senado e chapas próprias nas eleições proporcionais

O Partido Socialista Brasileiro, (PSB), realizou encontro regional na primeira quinzena de julho em Belo Horizonte. A Comissão Executiva Estadual definiu que a legenda formará chapas próprias para as eleições proporcionais e o Senado. O nome do ex-deputado Tilden Santiago foi confirmado como pré-candidato a senador.

Tilden agradeceu o apoio que tem recebido dos militantes de todas as regiões do Estado, e convidou os filiados a participarem da elaboração de um projeto de mandato. Para Santiago, agora o partido deve despontar como força autônoma, destacando a evolução da legenda em nível nacional nas eleições de 2008, quando proporcionalmente foi a que mais cresceu em número de prefeitos eleitos.

O prefeito de BH, Marcio Lacerda, analisou que a reorganização do partido passa por filiações e articulações no interior do Estado, com a formação de núcleos mais fortes nas cidades pólos. Para Lacerda é positivo para o fortalecimento do PSB lançar chapas próprias à Assembléia Legislativa e à Câmara Federal. Sobre a pré-candidatura de Tilden Santiago ao Senado, Lacerda avalia que o partido apresenta um nome qualificado para defender os interesses de Minas e do Brasil na Câmara Alta.

De acordo com membros da executiva do partido, a decisão sobre eventuais alianças ou coligações referentes às eleições 2010 deverá ser aprovada em convenção estadual, com a participação de todos os municípios onde o PSB estiver organizado. Segundo integrantes da direção nacional do PSB, a legenda deverá lançar candidaturas majoritárias em vários Estados.

Sobre uma possível aliança do PSB com o PSDB em Minas, o presidente estadual do PSB, deputado Wander Borges, acha que ainda é cedo para qualquer definição. Borges pontua que é melhor esperar o cenário nacional ficar mais claro para o partido tomar uma decisão.

Mineiro de Nova Era, Tilden Santiago é jornalista, professor e filósofo. Nas eleições de 2002 recebeu quase 3, 5 milhões de votos para o Senado. Foi ainda embaixador do Brasil em Cuba no primeiro mandato do presidente Lula, secretário estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável no Governo Itamar Franco e deputado federal por três mandatos. Convidado pelo governador Aécio Neves para integrar a equipe administrativa do Estado, trabalha como assessor especial da presidência da Cemig em projetos na área ambiental.

ASSESSORIA DE IMPRENSA DO PSB/CONTAGEM/MG

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

ITINGA

Volto a Itinga, a Taquaril, após tantos anos. Desta vez para caminhar e orar como romeiro na Décima-terceira Romaria das Águas e da Terra de Minas. Em vez de comentar o evento que reuniu mineiros e mineiras de todas as regiões do Estado, prefiro divulgar neste blog a carta da Romaria de Itinga.

CARTA DA 13A ROMARIA DAS ÁGUAS E DA TERRA DE MG

Tem: “TERRAS E ÁGUAS DE MINAS PEDEM SOCORRO.”
Lema: “ESCOLHE, POIS, A VIDA.”

“Eu vi o teu clamor, a tua dor e desci para caminhar com vocês” (Êxodo 3,7-10)
Somos Romeiras e Romeiros da mãe terra e da irmã água. Viemos a Itinga, no Vale do Jequitinhonha, rica região envolvida por montanhas e solos férteis, chapadas de onde se tira riquezas, terra de pedras preciosas, frutas nativas, pequizeiros e plantas medicinais. Banhada pelo Rio Jequitinhonha - cantado em versos e prosa pelos artistas natos da região - e seus inúmeros afluentes. Somos mulheres e homens, crianças, jovens, adultos e idosos. Lutamos, trabalhamos e acreditamos que é possível construir uma sociedade onde se preserva suas histórias, culturas, tradições, valores e espiritualidade, na qual os direitos do povo sejam reconhecidos e respeitados em sua totalidade. Por tudo isso irmãs e irmãos, continuaremos caminhando, como peregrinos da esperança, construindo a esperança na luta, levando em nossas bagagens a certeza na frente e a vitória na mão. Coloquemo-nos a caminho sem a indiferença dos apressados, mas com a serenidade dos que sabem contemplar a luz e a força divinas agindo em nós e, através de nós, no mundo. Que este caminhar seja sustentado pela coragem de quem sabe aonde chegar. Nessa desafiadora viagem, possamos unir forças com tantos outros e outras em busca de “um novo céu e nova terra.” Deixemo-nos guiar por Jesus Cristo, que convoca toda humanidade para ser uma só família, de todas as culturas e todas as religiões. Porque ele é o Deus único de todos os nomes, seio da saída e do retorno.
Com a força do Deus da vida, solidário e libertador, anunciamos e defendemos:
A luta dos povos originais – quilombolas, indígenas, sertanejos, geraizeiros etc - pelo seu reconhecimento e dignidade, luta por igualdade entre homens e mulheres, luta em defesa do meio ambiente, luta por reforma agrária, por soberania e segurança alimentar, por dignidade no campo e por um semi-árido sustentável.

Denunciamos:
Os grandes projetos desenvolvimentistas baseados no fortalecimento do agronegócio ligados a grandes grupos econômicos nacionais e internacionais que promovem enormes danos sociais e ambientais através da implantação de projetos de Monoculturas de eucalipto, Grandes barragens, Exploração de minérios, Pecuária extensiva, projetos que contam com forte apoio dos poderes públicos em todas as suas esferas. Estes empreendimentos são responsáveis diretos pelo empobrecimento de nossas regiões e pela intensa degradação ambiental, violência no campo e na cidade e migração sazonal que transforma os trabalhadores camponeses em migrantes que se tornam escravos na monocultura da cana-de-açúcar: campeões de podão na modernidade da produtividade, através dos “dez mil golpes de facão” por dia, pelas 15 toneladas de cana cortada, pelas doenças e mortes causadas por este processo devastador, e pela dupla jornada de trabalho das mulheres em conseqüência desta migração.

Romeiras e Romeiros da terra e das águas, da utopia de um novo mundo, caminhemos construindo um mundo possível e necessário, para uma terra sem males, com uma economia solidária, para casa da vida plena para todos e tudo. Continuemos com a mão na massa, os pés no chão, como povo de Deus que reza, mas coloca a oração no chão da terra e da vida com nossos sonhos e esperança, que a terra e a água, dom de Deus, sejam por todos partilhados.
Que possamos ao longo do caminho apreciar a beleza da natureza e da cultura popular, acolher o gorjeio dos pássaros e os clamores dos pobres, sentir o perfume das flores e de nosso chão. Que nossos ouvidos ouçam o barulho das águas, que nossos pés sejam firmes e fortalecidos pela certeza do caminhar. Enfim, que a glória de Deus brilhe em nós e através de nós!
Com a bênção de N. Sra. da Lapa e de São Francisco (patrono da Romaria), agradecemos de coração a hospitalidade do povo de Itinga e das comunidades cristãs do município, na esperança de nos reencontrarmos em 2010 na 14a Romaria das águas e da Terra de Minas Gerais, na Diocese de Januária, na cidade de Januária, no Norte de Minas. Amém, aleluia, Auêre, Uai!

Itinga, 02 de agosto de 2009.

sábado, 8 de agosto de 2009

VIEIRAS

Dia do Trabalhador Rural! As celebrações se multiplicaram pelo interior pelo interior a fora. Em Vieiras, houve uma longa romaria com centenas de produtores, plantadores de café. O Bispo de Leopoldina, Dom Dario, um eterno franciscano e uma dezena de sacerdotes, sujaram de poeira a barra de suas casulas e alvas. Prefeito, vereadores, sindicalistas e líderes comunitários cantaram e discursaram. Em Miradouro, o Prefeito Dr. Wagner, do PMDB, é um exemplo de trabalho pluripartidário. Reuniu na festa uma dezena de prefeitos de várias partidos da região. Lá esteve nosso deputado federal Rodrigo de Castro. Meu velho amigo Zé Brás, reeleito em Muriaé, que se prepare. O comentário por lá, é que Wagner que trabalha como cardiologista em Muriaé, poderá disputar a prefeitura desta cidade. Interessante ver a juventude rural e sindicalista da região, da Comissão Pastoral da Terra e da FETAEMG, trabalhando com essa nova leva de prefeitos. Em Pirapetinga, a festa incluiu também a padroeira Sant’Ana e São Cristóvão com motoristas e caminhoneiros. Lideraram as comemorações o pároco Mons. Waltancyr , o prefeito, José Isaías Masiêro do PSB, sua equipe de governo e vereadores. Reencontrei Waltencyr, velho companheiro de Mariana, hoje muito estimado do povo com 37 anos de paróquia.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

JOSÉ DE ALENCAR

A Nação brasileira acompanha com emoção, admiração e oração, a luta de José de Alencar pela vida. Especialmente nós mineiros! Se já havia um respeito profundo pelo vice-presidente, por sua pessoa, suas qualidades, seus sentimentos, sua seriedade e dedicação ao trabalho, agora por tudo que ele tem vivido nos últimos anos, pela maneira corajosa como trava a luta contra o câncer, a estima por ele está na boca de todos, por toda parte. Numa de suas manifestações mais contundentes sobre a vida e a morte, em plena televisão, ele parecia Francisco de Assis quando se referia a “duas irmãs” – a irmã vida e a irmã morte. Zé Alencar nos evangeliza com simplicidade e com realismo, pleno de verdade, de luz no coração, na mente e nas palavras.

AÉCIO NEVES

Políticos do círculo mais íntimo de Lula têm declarado que o presidente prefere enfrentar José Serra no próximo ano. Há vários indícios nas últimas semanas, sinalizando uma sensível ascensão do nome de Aécio Neves, como candidato do PSDB à Presidência. A preferência do Presidente Lula pode ser entendida, desde já, como uma reação que vem confirmar a veracidade desse crescimento. Aqueles que conhecem Aécio Neves de perto, especialmente como líder do PSDB da Câmara, não duvidam de que o governador mineiro tem maiores possibilidades de minar, ainda que parcialmente, a aliança PT+PMDB. E Lula joga tudo nessa aliança.

domingo, 26 de julho de 2009

EZEQUIEL

“A simples reforma de um sistema corrompido não gera nenhuma sociedade nova: apenas reanima o velho sistema, que cedo ou tarde, acabará sempre nos mesmos vícios. Só um programa profético vislumbra um futuro novo, provocando o surgimento de uma sociedade radicalmente nova, com uma relação social a partir da justiça.”
A leitura do profeta Ezequiel deveria preparar senadores e deputados para a tão falada Reforma Política, se é que um dia ela vai acontecer. Doce ilusão! Exclamava Giordano Bruno: pensar e esperar que os donos do poder renovarão o poder.
Parece até que Ezequiel conheceu a história contemporânea do Brasil: nossos sonhos no final da Ditadura com um poder popular e democrático, seguidos de uma transição lenta, gradual e segura; derrota das diretas já; Congresso Constituinte em vez de Assembléia Nacional Constituinte; anistia relativa; cassação de Collor; anões do orçamento; mensalão; atos secretos no Senado, etc.
Se a classe política não construir a verdadeira reforma, que pela conversão coletiva e pessoal e pelo “profetismo”, só nos resta esperar pela sabedoria de nosso povo eleitor, pela investida decidida da Nação brasileira nas URNAS!

terça-feira, 7 de julho de 2009

ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL O TEMPO DE 7 DE JULHO DE 2009, HOJE.

Jornalismo
Muito se tem escrito ultimamente sobre o jornalista, seu diploma universitário, sua formação nos cursos de comunicação social. O Supremo Tribunal Federal – STF – derrubou a obrigatoriedade do diploma para o exercício do jornalismo, numa analogia imprópria com a profissão de cozinheiro e abrindo espaço para posicionamentos equivocados e mal fundamentados a favor ou contra o diploma. Mais um desgaste para o já desacreditado Ministro Gilmar Mendes, relator.
O debate sobre esta questão já dura cerca de 40 anos. Ele nasceu com o Decreto-lei 972/69 – logo depois do golpe dentro do golpe de 1968. De lá para cá, os Sindicatos dos Jornalistas, a FENAJ e a ABI – junto com as escolas de Comunicação Social e praticamente a totalidade dos profissionais defendeu a obrigatoriedade do diploma. Fala-se muito de corporativismo e reserva de mercado da parte das entidades sindicais dos jornalistas. E se esquecem de que na época, empresas irresponsáveis, preferiam pagar menos aos seus profissionais. O curso de comunicação e como conseqüência o diploma faziam parte de um esforço coletivo da categoria para o crescimento da qualidade profissional, além da defesa do salário.
Por que a ANJ e a ABERT sempre foram contra ou pelo menos manifestaram má vontade com os cursos e o diploma? Hoje é certo que a melhor preparação e formação profissional do jornalista supõe providências inúmeras e menos simplistas, dada a complexidade da sociedade e da própria arte e/ou ciência da comunicação. O talento, o dom natural é importante para ser jornalista, mas o bom jornalismo supõe também técnica, formação teórica, que começa nas escolas e continua nos locais de trabalho.
O que causa repulsa é a pressa em proclamar a decisão do STF como uma grande vitória do Direito á Informação e da Liberdade de Imprensa. A defesa do direito à informação e da liberdade de imprensa passa por providências muito mais urgentes do que a derrubada da obrigatoriedade do diploma para jornalistas. Entre outras citaria duas: o fim do monopólio dos meios de comunicação nas mãos de poucos e a necessidade de regionalizar a informação, dada a imposição excessiva da mídia nacional e internacional.
A Conferência de Comunicação que se prepara no país será um bom momento para avançarmos na qualidade da informação. Independente de seus interesses, FENAJ, ANJ, ABI, ABERT, sindicatos patronais e dos jornalistas devem dar sua valiosa contribuição, como também as Escolas de Comunicação Social e toda a sociedade brasileira.
Tilden Santiago. Embaixador do Brasil em Cuba 2003/2007 – Dep. Federal por 3 mandatos
Presidente do Sindicato dos Jornalistas – Diretor da FENAJ 1981/1984

segunda-feira, 29 de junho de 2009

TEXTO DE DIVINO ADVINCULA

Formação e Informação
Muito se falou sobre a questão do fim da exigência do diploma de jornalismo para o exercício da profissão. Não é o fim do mundo. Nem o fim da profissão. Muito menos o fim da escolarização como caminho para a aquisição de técnicas e conhecimentos adquiridos de maneira teórica e metódica. Aliás, agora mais do que nunca a qualificação fará a diferença. O que se tem levado em consideração sobre o diploma está direcionado à apenas algumas grandes cidades, que, no final das contas, mudará muito pouco.
Mas gostaria de abordar um outro ponto. O Brasil, assim como muitos países, tem uma larga tradição de pequenos jornais que circulam em bairros pequenos, cidades além de vilas e lugarejos. Esses jornais ajudam a construir a história desses lugares, documentam o cotidiano, registram costumes. Contextualizam o pensamento e a cultura local no universo global. São excelentes fontes para pesquisa histórica, social e antropológica etc.
Tivesse a obrigatoriedade do diploma sido mantida pelo STF, correríamos o risco de acabarmos com esse meio documental e informativo de enorme interesse público, chamado de “jornal local”; uma vez que jornalistas diplomados jamais iriam para esses lugares sem muito recurso. Pessoas nativas correriam o risco de serem processadas por exercício ilegal da profissão.
Ganhou o bom jornalista de todos os cantos do Brasil e perdeu àquele que contou apenas com um canudo vazio de conteúdo e pobre de conhecimento.


Divino Advincula
Jornalista

segunda-feira, 22 de junho de 2009

HORIZONTE ABERTO

A fragilidade de nossa democracia fica mais clara nos processos eleitorais. Claro que foi um avanço histórico saírmos de Ditadura Militar, passarmos por uma transição "lenta, gradual e segura", vivenciar um Congresso Constituinte, exclusivo de políticos e não uma Assembléia Nacional Constituinte. E mesmo com a anistia relativizada que tivemos e com o fracasso das Diretas-já, repetirmos eleições que proclamamos democráticas, até chegarmos a um líder popular, trabalhador no governo, até alcançarmos a institucionalidade.
Os partidos políticos são chamados a colaborar nesse crescimento da democracia. Cumpre superar uma certa "ditadura de partido", que começa a se visualizar. É o que se espera especialmente do PMDB, PT, PSDB e DEM. Interessante a polêmica entre os tucanos sobre realizar ou não prévias internas para escolha de candidato. Interessante também quando Aécio Neves opta por uma campanha propositiva, sem radicalizar e bater duro no governo, como deseja Serra.
E os demais partidos - PDT, PSB, PCdoB, PV, PR, PP, PRb, PPS, PTB, PSTU e PSOL e outros - não teriam uma contribuição a dar na discussão dos programas de governo, dos novos mandatos a serem conquistados? vão ficar na inércia, fora do cenário, esperando por posicionamentos nacionais? Esperando pela tomada de posição de Lula e Aécio?
O horizonte está aberto para lideranças políticas e partidos, que queiram dar ao processo eleitoral uma nova dinâmica em consonância com a população de Minas e do Brasil.

VICTORIA II

"Fale com ele que o café vai esfriar, que não demore a aparecer". Esse foi o recado que Meire deixou com minha secretária na Cemig. Convite simples, simpático e fraterno, irrecusável. Depois de meses de espera fui conhecer Victoria, uma linda filha de oito anos, portadora de uma síndrome de West, síndrome convulsiva, que há cinco anos vive em uma UTI montada dentro de casa. Respira através de aparelhos, alimenta-se por sonda, sendo uma criança que precisa de cuidados intensos. Tudo que é necessário para as pessoas com necessidades especiais é muito caro. Jefferson trabalha na Fundep e Meire sai na motinha para trabalhar fora. A intensa dedicação a Victoria, o amor que eles demonstram continuamente com gestos de carinho e ternura, falando com ela e ela respondendo com o olhar, fazem deles um trio abençoado capaz de aquecer o coração de quem os visita oferecendo um café quentinho.

VICTORIA

Dois funcionários que trabalham na Cemig, foram ao número 125 da Rua 02, no Bairro Nova Pampulha para cortar a luz. Meire, a mãe de Victória, os recebeu e os convenceu a não cortar, mostrando a filha dormindo numa cama, sobrevivendo graças a aparelhos que dependem da energia elétrica. Pouco tempo depois, Meire e Jefferson foram recebidos na Cemig pelo gerente Márcio Barbosa Resende e a dívida foi dividida em 12 vezes.
Na década de 70, trabalhei com Jefferson no Diário do Comércio de José Costa. Ele era jovem e acabou indo para Rondônia, onde encontrou Meire, neta de uma índia. Victória, sinal sensível do amor de ambos, faz daquela família e casa de número 125, um espaço iluminado.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

SEMANA DO MEIO AMBIENTE EM PAINS


Semana do meio ambiente em Pains, é celebrada com gesto concreto e não com mera retórica pelo prefeito Ronaldo Márcio Gonçalves: “Não vou deixar o trem da história passar na minha frente. A discussão hoje é a preservação da Gruta do Éden, que a partir de hoje passará a ser monumento natural. Amanhã será o combate à poluição em nossa cidade que está relacionada aos objetivos de preservação e conservação do meio ambiente, considerados fundamentais ao benefício das gerações futuras. A Gruta do Éden é uma caverna calcária de grande importância devido à sua beleza cênica, dimensões expressivas, presença de espeleotemas raros, cursos d’agua perene. Está entre as maiores cavernas do Brasil”
Pains é junto com Arcos, Córrego Fundo e outros vizinhos uma região do Centro-oeste mineiro rica em calcário. Acompanhei Lula, em sua caravana pelo Velho Chico antes de ser presidente. Fizemos questão que ele se encontrasse na ocasião, com os empresários das caieiras no Posto Charutão do Dr. Zé Pedro, entre Córrego Fundo e Formiga. Muita água correu de lá para cá. Hoje um companheiro de Lula, Ronaldo Gonçalves, fala com firmeza como prefeito de Pains e empresário do ramo da mineração: “A mineração é um dos setores básicos da economia do país, contribuindo de forma decisiva para o bem estar e a melhoria da qualidade de vida das presentes e futuras gerações, sendo fundamental para o desenvolvimento de nossa sociedade, desde que seja operada com responsabilidade social, estando sempre presentes os preceitos do desenvolvimento sustentável.”
Ronaldo Gonçalves conhece as causas históricas da problemática que administra: “Os impactos causados pela mineração no perímetro urbano e onde se localiza a Gruta do Éden, geraram conflitos sócio-ambientalistas pela falta de intervenção do poder público, que não reconheceu os interesses coletivos envolvidos.” E sabiamente Ronaldo enfatiza a ação conjunta do tripé – governo, setor produtivo e comunidade – na busca de soluções: “Os conflitos gerados pela mineração exigem uma coordenação dos poderes públicos, que atuam no setor mineral, em conjunto com a sociedade civil e com os empresários, de modo que sejam implementadas normas de procedimentos com critérios claros.”
O prefeito Ronaldo não esconde da população os dados reais da situação e os mostra em plena audiência pública democrática, aberta a todos: “O impacto causado pela mineração nesta região sobre as pessoas pode ser constatado pelo número de atendimentos no serviço municipal de saúde.” E mostra que conhece a situação nos detalhes geográficos de Pains: “principalmente sobre quem mora no bairro Alvorada e na Rua Severiano Rabelo. Para uma população de 8.420 pessoas, somente para doenças respiratórias foram feitas mais de 4.000 consultas ao ano. As crianças são as que mais sofrem com as infecções das vias aéreas superiores. Somente no último ano foram feitas 5.290 inalações.”
Em Pains, a prefeitura além de ter uma Secretaria de Meio Ambiente, instalou um Centro de Referência para a Revitalização do Velho Chico. Junto com o ambientalista René Vilela, do MMA, sou testemunho do belo trabalho feito naquela cidade objetivando a problemática sócio –ambiental. O prefeito Ronaldo centra a ação de governo especialmente em dois objetivos: o abastecimento de água e a saúde da população. Ele age e fala com convicção: “Eu estou convencido de que nós temos o que comemorar no Dia Mundial do Meio Ambiente, e temos de ter orgulho do que estamos fazendo. Sabemos que é uma tarefa difícil. Quando agente pensa que está cuidando de uma gruta, um rio está sendo poluído. É quase uma revolução cultural que precisamos fazer para atingir a perfeição ambiental. Não há registro de semelhante desempenho ambiental conjugado a um processo de crescimento, como tem ocorrido em Pains. Somos um exemplo para cidades que ainda insistem em crescer a qualquer custo, sem se importar com a qualidade de vida de seu próprio povo, muito menos com a saúde da população.”
Parabéns Pains! Parabéns Ronaldo!

quinta-feira, 11 de junho de 2009

DE CONSPIRAÇÃO PELA DEMOCRACIA E LIBERDADE MINAS ENTENDE


Segunda-feira: 16 de março de 2009 – Os governadores Aécio Neves e José Serra passam o fim da tarde e a noite em Recife. Aproveitaram convite do contador de histórias, Fernando Lyra, ex-ministro da Justiça, indicado por Tancredo Neves e confirmado pelo presidente José Sarney para assistir o lançamento do seu livro de memórias – “Daquilo que eu sei – Tancredo e a Transição Democrática.”.
O lançamento foi uma grande festa política, um reencontro de amigos de diversas correntes políticas no Recife Antigo, no Paço Alfândega restaurado. Em campo neutro, Aécio e Serra transitavam civilizadamente nas diversas correntes. Sérgio Guerra, presidente nacional do PSDB, como magistrado, assistia tranqüilo, muito à vontade, a toda a movimentação. Feliz, pela criação de um fato político interessante para o PSDB e, para a opinião pública nacional, rico em significado e inquietudes, tendo como pano de fundo, 2010 e cheio de lições a se tirar.
Lyra, Guerra, o governador Eduardo Campos do PSB pernambucano, Tasso Jereissati, Roberto Freire, Albano Franco e outros políticos cantaram, em prosa e verso, a rica biografia de ambos presidenciáveis. Como declarou Aécio Neves, em BH, antes da viagem, tal encontro, na cidade das pontes sobre o Capibaribe e o Beberibe, “é uma sinalização da unidade do PSDB”. Sem esconder, a meu ver, sou testemunha ocular, as diferenças entre ambos nessa tentativa de ser o candidato tucano ao Planalto.
Os pré-candidatos vêem o Brasil de lugares diferentes, até porque, é impossível deixar de ser mineiro ou paulista, a essa altura dos acontecimentos – na trama da política e da vida.
Serra vê o país a partir da hegemonia da Avenida Paulista, a partir de seus gabinetes empresariais e financeiros, onde políticos de diferentes partidos se escondem, buscando luzes, apoio e sustentação. Natural que assim seja! Poder político e poder econômico se enamoram!

Isso faz parte do realismo, do pragmatismo na caminhada política. Mas a hegemonia da Avenida Paulista está longe de ser a “gramsciana”. Ela cheira mais a “exclusivismo” do que hegemonia – incapaz de vivenciar uma autêntica hegemonia – aquela que é generosa: geradora de parceria entre fortes e fracos econômica e politicamente, no cenário nacional de nossa sociedade.
Esses gabinetes paulistanos desconhecem Antonio Gramsci e sua sábia concepção de “hegemonia”. Nenhuma surpresa nisso! Embora FHC a conhece muito bem. E Serra também.
A postura excessivamente hegemonista da Avenida Paulista é um dado que pesa como uma espada de Dâmocles sobre a Nação brasileira. Não me refiro a São Paulo respeitável unidade de nossa federação. E seu povo também brasileiro. Meu olhar é global. Falo da Avenida Paulista, do poder de seus gabinetes do mundo empresarial, financeiro, expressão fundamental de formação econômica, social e cultural do Brasil e de sua população tão diferenciada do ponto de vista de classes. Penso nas diferenças regionais e sociais de nossa pátria.
Numa angulação diferenciada, Aécio Neves vê o Brasil a partir de Minas, um resumo de brasilidade – do mesmo modo como tantos mineiros, em nossa história, olharam a Nação brasileira.
Minas não respira hegemonia dominadora. Somos plural. Somos sinônimos de liberdade. Buscamos as liberdades democráticas sempre. Hoje como no passado pagamos um preço caro na constituição histórica da soberania, da liberdade, da independência.
Tiradentes e outros mineiros conspiraram nos becos de Vila Rica e nas estradas até o Rio e foram sacrificados na luta libertária, para que, décadas mais tarde, o paulista José Bonifácio pudesse ser o Patriarca da Independência.
Não é apenas o compêndio de nossas escolas que registra o valor de ambos. Tanto que na Praça dos Libertadores – latinos em La Habana, Tiradentes e Bonifácio estão perfilados no Jardim dedicado ao Brasil.
Dr. Tancredo sempre repetiu com propriedade de que o primeiro compromisso de Minas é com a liberdade. Aécio aprendeu e apreendeu estes valores, desde casa e na escola da vida, para mais tarde, homem público, poder avançar.
A vocação libertária de Minas levou Aécio Neves a olhar o Brasil a partir de Teófilo Otoni no Mucuri. Do Jequitinhonha, do Jaíba, do Velho Chico, do Gurutuba e outros vales. O que lhe permite entender o Piauí e outras regiões marcadas por uma exploração mais do que secular. Como as Minas são muitas, a Região Metropolitana, o Triângulo, a Zona da Mata, o Vale do Aço, o Sul de Minas, permitem ao governador Aécio entender São Paulo, o Sul, nossos grandes centros urbanos mais desenvolvidos, e industrializados.
Aécio Neves, reconhecido como gestor competente se coloca como pré-candidato ao Planalto, após seis anos de uma prática política e administrativa moderna, contemporânea. Inclusive de harmonia com Lula Presidente e com Pimentel Prefeito – ambos do PT na defesa dos interesses de Minas. E agora com Márcio Lacerda do PSB.
Em Recife Serra atacou pesado o governo Lula. Já Aécio, mesmo tendo críticas, preferiu enfatizar 2011, como início de uma fase “pós – Lula”. Volto a Dr. Tancredo: Se é mineiro não é radical! Se é radical não é mineiro!
Apesar das dificuldades enfrentadas e mesmo alguns desacertos, o acordo de BH, na sua essência mais profunda, foi a expressão da busca de um patamar mais alto para a política, acenando para o pluripartidarismo, condenando a “ditadura do partido” e a prioridade de interesses partidários e personalistas, priorizando problemas da população e a construção do bem comum como referências primeiras. Sem o governador Aécio no Palácio da Liberdade, tal acordo não seria possível.
Do encontro do Recife nos vem à lembrança JK, que fez uma ampla aliança de Minas e do Nordeste. O que hoje deve ser ampliado para o Brasil Central, sulistas e nortistas – contra eventuais vocações hegemonistas dominadoras.
Nesse sentido, abre-se diante de nós, um novo horizonte que só Minas sabe e pode avalisar. Testemunhei evidências dos diferentes estilos. Boa vontade política na busca desse novo horizonte de uma resistência histórica, cívica, nacional contra ambições hegemonistas e egoístas de uma Avenida do Capital.
De conspiração, de democracia, e liberdade Minas entende?