quinta-feira, 19 de novembro de 2009

A RECEITA DE MUSSOLINI PARA ACALMAR AS BASES

JORNAL VALOR ECONÔMICO, 17 DE NOVEMBRO 2009 - RELAÇÕES DE TRABALHO.

Nos anos 30, antes de Getúlio Vargas fazer a CLT, que é de 1943, o quadro sócio-econômico era o grande desafio para o Estado. Depois da grande depressão de 1929 era preciso industrializar o país a toque de caixa - e em paz -, para se produzir aqui tudo que era importado. Mas não havia paz. As relações de trabalho eram muito conflituosas, com forte influência dos anarquistas italianos e espanhois. Nas greves, empresas eram depredadas. O que fez Getúlio Vargas? A resposta está no depoimento do professor José Pastore, a seguir:


"Getúlio chamou um de seus principais assessores, o sociólogo Francisco José de Oliveira Viana, e o incumbiu de fazer um périplo pelo mundo para ver como os outros tinham conseguido se industrializar. Viana seguiu logo para os Estados Unidos, mas se deparou com um movimento ainda mais violento do que o brasileiro na zona industrial de Chicago. Desistiu e foi para a Alemanha. Lá quase todos os trabalhadores estavam em sindicatos atrelados ao Partido Comunista. Desistiu e foi para a Itália, que ninguém é de ferro. Benito Mussolini, em carne e osso, lhe disse que era preciso organizar no Brasil um sistema onde os trabalhadores e os empregadores participassem com várias responsabilidades.


-Pelo fato de os trabalhadores participarem já vai haver calmaria-, Mussolini falou. Disse ainda para criar uma representação tripartite - empregados, empregadores e governo - no Ministério do Trabalho. Depois, se essa comissão tivesse desdobramentos para os Estados, fazer uma comissão tripartite também para esse nível. E, se a coisa se desdobrasse mais, fazer uma comissão tripartite no município. Mussolini disse mais: - Encaixe também na Justiça do Trabalho, representantes dos empregados e empregadores. Porque, além da centença fria do juiz, vai se procurar ver tudo que tenha sentido na realidade. Ato contínuo, coloque representação classista também no topo, no Tribunal Superior do Tabalho, junto com os togados. Faça o mesmo nas juntas estaduais e também nos sindicatos. Aí Mussolini deu a chave da coisa: - Dê bastante trabalho e posição para esse pessoal. Dê dinheiro para essa gente. Oliveira Viana perguntou: -Por quê? - Porque tendo dinheiro, posição e prestígio lá em cima, eles se encarregam de acalmar a base-. Getúlio gostou muito da idéia.

Um comentário:

  1. Professor Paulo Freitas19 de novembro de 2009 07:35

    Essa receita é seguida até hoje, os sindicalistas diretores engravatados endeusados do PT que o digam.

    ResponderExcluir